Principal animais Animais que adotam descendentes de outras espécies: por que?

Animais que adotam descendentes de outras espécies: por que?

animais  : Animais que adotam descendentes de outras espécies: por que?

Animais que adotam descendentes de outras espécies oferecem a oportunidade de investigar a importância dos genes e do meio ambiente no comportamento dos animais adotados.

Escrito e verificado por bioquímica Luz Eduviges Thomas-Romero 8 de maio de 2020.

Última atualização: 08 de maio de 2020

Muitos animais são conhecidos por acolher órfãos de sua própria espécie e criá-los como seus próprios. No entanto, o registro de casos de animais que adotam filhos de outra espécie é muito mais surpreendente.

De acordo com os especialistas, animais cuidam de jovens órfãos de sua própria espécie para transmitir os genes da família. Isso ocorre porque a adoção melhora a sobrevivência e a reprodução de parentes próximos do animal que você adota. Por esse motivo, explica-se que os animais sentem o instinto que leva a esse comportamento altruísta.

Mas que benefício pode um animal obter ao cuidar de outro de uma espécie diferente?? Continue lendo se quiser saber a resposta.

Quais são as razões para os animais que adotam descendentes de outras espécies?

Em primeiro plano, animais que adotam descendentes de outras espécies o fazem para benefício mútuo. Isso significa que pais adotivos e filhos se beneficiam de alguma forma com o relacionamento. Por exemplo, adicionar um membro de outra espécie a um grupo de animais pode dar a eles mais comida ou maior segurança.

Às vezes, benefício mútuo pode ser tão simples quanto companheirismo social, desde que as condições criadas não gerem concorrência ou ameaças indesejadas.

É importante observar que durante o parto e a lactação, as fêmeas de mamíferos produzem ocitocina, um hormônio que induz comportamentos maternos. Este estado hormonal pode torná-los mais aptos a receber descendentes que não são seus.

Os animais que adotam descendentes de outra espécie têm empatia??

Embora não haja nenhuma evidência direta para provar empatia em animais, muitos cientistas acreditam que esta é a causa da maioria das adoções entre espécies.

De acordo com essa ideia, argumenta-se que os mamíferos têm as mesmas estruturas cerebrais e o mesmo sistema em relação aos sentimentos e emoções.

Assim, essa capacidade de empatia levaria os animais a adotarem outros para aliviar a dor ou a fome na procriação ou a solidão em si mesmos. Essa empatia é mostrada em exemplos bem documentados.

Existem aspectos negativos da adoção interespécies?

Sem dúvida, os casos de animais que adotam descendentes de outra espécie vão contra a teoria darwiniana da sobrevivência do mais apto. Embora não seja óbvio, existem muitos aspectos negativos em ajudar os outros ou adotar outros membros da família.

Especificamente, o pai adotivo não está apenas diminuindo seu próprio sucesso reprodutivo, mas também está usando sua própria comida e energia para ajudar na procriação.

Como a adoção de descendentes de outra espécie influencia o mundo animal?

Principalmente, a adoção interespécies influencia as relações futuras entre o adotante e a espécie do adotado. Por exemplo, gatinhos criados por uma mãe galinha crescem sem o instinto de prejudicar a galinha ou seus próprios pintinhos.

Experimentalmente, foi demonstrado que os gatos criados com ratos não atacam nenhum rato daquela espécie em particular. Além disso, sabe-se que um gato criado por um papagaio resiste pacientemente ao ataque de qualquer espécie de ave. Em suma, acredita-se que essas adoções interespécies criam relações complexas, que ajudam a estabelecer interações sociais positivas entre diferentes espécies.

Os cães se destacam entre os animais que adotam filhos de outras espécies

Nas redes sociais, há exemplos abundantes de cadelas servindo como mães substitutas para uma variedade de espécies, desde filhotes, perus, porcos e esquilos a tigres e gatas. Muitas vezes acontece que as cadelas optam por cuidar e até mesmo amamentar filhotes que foram rejeitados por suas próprias mães. Entre esses exemplos:

  • No Zoológico de Hangzhou, na China, três filhotes de leão brancos nascidos em cativeiro escolheram uma cadela para ser sua nova mãe adotiva. Os filhotes foram abandonados pela mãe e agora estão sendo amamentados pela cadela. O zoológico argumenta que essa adoção minimiza a interação humana com os filhotes e pode facilitar a reintegração de leões com outros de sua própria espécie.
  • No Hillside Animal Sanctuary em Norfolk, Grã-Bretanha, um leitão foi adotado por um cão boxer que cuidou dele com muito cuidado.

 Na natureza, também existem animais que adotam descendentes de outras espécies?

Por mais de três anos, pesquisadores na Polinésia Francesa rastrearam um golfinho-nariz-de-garrafa incomum (Tursiops truncatus) enquanto criava um filhote de baleia com cabeça de melão (Peponocephala electra) ao lado de seu próprio recém-nascido biológico. Seus cuidados incluíam amamentar sua filha adotiva. Este caso único não tem precedentes em golfinhos, tanto quanto sabemos.

Fonte: Science Direct

Outro exemplo da natureza, é o caso da adoção completa de um filhote de leopardo por uma leoa asiática ao ar livre, ou seja, que não vivia em rebanho.

Os pesquisadores acham que essa interação sem precedentes é muito rara em animais que competem pelos mesmos recursos. Além disso, sugerem que os fatores que favoreceram essa adoção foram o instinto materno, a inexperiência da leoa, aliada à semelhança física e comportamental entre o leão e os filhotes de leopardo.

Categoria:
Olinguito, uma nova espécie de mamífero
Como saber se meu animal esta triste?